Archive for Julho, 2008

As garotas de novo.

Julho 29, 2008

Elas continuam falando uma coisa e pensando outra.

Cique na imagem para ampliar.

Os bilontras

Julho 27, 2008

Olhando no dicionário, encontramos que bilontra é um freqüentador de prostíbulos. Popularmente conhecido como putanheiro. Mas putanheiro eu não encontrei no dicionário…

Como eu já expliquei em alguns posts anteriores, estamos preparando uma HQ sobre clientes de garotas de programa. Já postei duas tiras com garotas. Agora é a vez deles, os bilontras, verdadeiros protagonistas de nossas histórias.

Clique na imagem para ampliar.

Nosso “Fracasso”

Julho 25, 2008

Desde o lançamento de O Cabeleira eu tenho um novo hábito. Entrar nas livrarias para ver se os livros estão bem expostos. Misto de vaidade com maluquice, né? Coisa de quem nunca tinha publicado um livro.

Dia desses, eu estava na Travessa do Leblon e um casal se aproximou da pilha de livros do Cabeleira. O rapaz parecia já saber do quadrinho. Chegou elogiando: “Olha O Cabeleira! Muito legal, né?” E então contou para a menina a história de como a HQ nasceu. Bom, pelo menos a versão dele:

“Esse roteiro foi escrito para cinema. Como os caras não conseguiram fazer o filme, publicaram um quadrinho.”

Então percebi que muita gente deve estar encarando O Cabeleira como uma história de fracasso. O roteiro que não conseguiu virar filme… Mas não é bem assim. A verdade é que nem tentamos levar O Cabeleira para o cinema. Antes disso, a Marta Batalha chegou com o convite para publicar a HQ.

E ter um quadrinho desenhado pelo Allan Alex, recebendo tantas críticas positivas, é para nós uma história de sucesso!

O que não quer dizer que não estamos abertos a convites para o cinema! Algum produtor está lendo esse blog??

Qual a relação entre mulher pelada e economia?

Julho 25, 2008

A trajetória de O Cabeleira na mídia continua firme e forte: hoje saiu uma matéria muito bacana no jornal Gazeta Mercantil. Vale a pena ser conferida.

Mas não é só de economia que vive o homem. O Cabeleira fez sua aparição na revista Sexy Premium deste mês!

Bráulio Mantovani

Julho 23, 2008

Dizer que Bráulio Mantovani é um dos maiores roteiristas brasileiros da atualidade não é um exagero, mas simplesmente um fato. Afinal, não é qualquer um que tem “Cidade de Deus” e “Tropa de Elite” no currículo.

Com seu cigarro de palha e seu tênis All-Star, Bráulio foi um dos que mais insistiu na cena da Chica, dizendo que ela, apesar de ótima, atrasava o início da nossa história. Talvez esta seja uma das grandes lições que um roteirista deve aprender: estar preparado para descartar a cena que adora em favor da história como um todo.

Atualmente, nos arrependemos de não ter prestado uma homenagem ao Bráulio, onde encaixaríamos o seguinte diálogo na HQ: “Zé Gomes é o caralho. Meu nome agora é Cabeleira!”. Então, aqui vai nossa homenagem…

Chica (Cenas Excluídas – parte II)

Julho 22, 2008

Aqui está a introdução do roteiro em que José Gomes mata Chica, mulher de Timóteo. A cena nunca chegou a fazer parte da versão final da HQ.

Introdução Roteiro O Cabeleira – Cena da Chica

Mais Garotas

Julho 21, 2008

Mais uma tira da série Papo Padrão de Puta. Como na tira anterior, o texto ainda não é definitivo. É só um teste.

Clique no desenho para ampliar.

Grávida de Luís Carlos Prestes!

Julho 19, 2008

Adoro os quadrinhos independentes americanos. Figuras como Daniel Clowes, Adrian Tomine, Craig Thompson e Jaime Hernandez. Na verdade, nem sei se posso chamar esses caras de independentes… Só sei que gosto muito. Cheios de referências pop, muito rock, cinema e angústia.

Agora misture isso tudo e acrescente altas doses de Rio de Janeiro.

O resultado é o delicioso álbum do Fábio Lyra.

Menina Infinito tem tudo que esses americanos têm, com uma grande vantagem, é passado no Rio! Como é bom ler um quadrinho e reconhecer os personagens e os cenários. É um prazer a mais poder identificar a Cinelândia, ter certeza que encontrou o Cine Íris, ver como a Baratos da Ribeiro está igualzinha! Sem falar nos personagens. Se você já foi a pelo menos uma festa moderninha, com certeza já esbarrou com um deles!

Recomendo muito Menina Infinito! Escrito e desenhado com muito talento por Fábio Lyra e editado com capricho por Lobo e sua trupe.

O lançamento é hoje (sábado, 19) na Baratos da Ribeiro.

Ah, e quem ler o quadrinho vai entender o título do post.

O Sucesso Continua

Julho 19, 2008

E as matérias sobre O Cabeleira continuam aparecendo. Sempre positivas!

Para quem quiser conferir as últimas:

Resenha de Eloyr Pacheco, do site Bigorna.net

Matéria de Bruno Dorigatti na Revista Idiossincrasia, do Portal Literal.

E aqui está uma matéria mais antiga, que saiu logo que O Cabeleira começou a ser desenhado:

Matéria de Denise Mota na revista Trópico.

Garotas de Programa

Julho 14, 2008

O Cabeleira está nas livrarias. As críticas são boas. Agora é torcer para que as pessoas comprem, leiam e gostem. Mas a vida continua e já preparamos nossos próximos quadrinhos. Isso mesmo! São três projetos em andamento!

Um deles é sobre garotas de programa. Ou melhor, sobre os clientes das garotas de programa. E antes que os engraçadinhos perguntem, não há nada de autobiográfico nessa história! É tudo baseado em pesquisa (não, não fizemos pesquisa de campo…). Há muito tempo colecionamos matérias de revistas, jornais e muitas histórias encontradas na internet.

A idéia é fazer um álbum de histórias curtas, ilustradas por diversos artistas. Até eu, apesar de não ser desenhista, decidi me aventurar na tarefa de desenhar algumas páginas.

Começarei a postar aqui alguns exemplos. Clique no desenho para ampliar.

Guerreiros do Sol

Julho 13, 2008

A idéia de escrever o roteiro de O Cabeleira veio com a leitura do livro Guerreiros do Sol, do historiador Frederico Pernambucano de Mello. A obra é um tratado definitivo sobre o cangaço. Mello apresenta teorias muito interessantes em seu trabalho.

Ele explica, por exemplo, as três formas de cangaço:

Meio de vida – Alguém que entrava para o cangaço apenas com o objetivo de roubar e ganhar dinheiro.

Refúgio – Depois de cometer um crime (assassinato, estupro etc) o sujeito entrava para um bando de cangaceiros para fugir da vingança da família de sua vítima.

Vingança – Para se vingar de uma injustiça ou crime cometido contra um familiar, o sujeito buscava em um bando de cangaceiros a ajuda necessária. Muitos, realmente, abanadonavam o crime depois de matar seus inimigos.

O historiador também fala do “escudo ético”. Alguns cangaceiros usavam a desculpa de uma pretensa vingança para, na verdade, adotarem o bandidtismo como meio de vida. Lampião, por exemplo, teve várias oportunidades de matar os assassinos de seu pai, mas preferiu nunca cosumar sua vingança. Sabia que, dando cabo de seus inimigos, não teria mais justificativa para viver do crime.

É um livro obrigatório para quem quer entender um pouco mais a violência do país.

Detalhe: Tentamos usar um pouco do que aprendemos com Mello em nosso roteiro. Assim, Joaquim é cangaceiro de “meio de vida”, Liberato se torna um cangaceiro de “vingança” e Teodósio é uma espécie de cangaceiro de “refúgio”.

Para quem quer saber mais sobre Guerreiros do Sol, aqui está uma resenha

Sucesso

Julho 12, 2008

A divulgação de O Cabeleira foi ótima. Saiu em vários jornais, revistas e… até no Faustão!

Confesso, porém, que eu estava ansioso para saber qual seria a opinião da crítica. No dia 23 de junho li as primeiras matérias escritas por Paulo Ramos (Blog dos Quadrinhos) e Télio Navega (Gibizada, O Globo). Ambas foram maravilhosas. Diversos outros críticos fizeram ótimas resenhas sobre a HQ, sempre enfatizando a qualidade do roteiro e desenhos do Allan. Sidney Gusman chega a afirmar que O Cabeleira “se trata de uma das melhores HQs nacionais publicadas nos últimos anos”.

O Cabeleira é um daqueles casos raros em que tudo anda em sincronia, não apenas pelo roteiro e desenho, mas também no trabalho, muitas vezes invisível, de todos os envolvidos: na coragem da ex-editora da Desiderata (Martha Batalha – a primeira a acreditar no projeto), na visão do nosso Editor de Quadrinhos (Lobo), no lindo projeto gráfico (Odyr) até ao tratamento das imagens (Vitor Manes).

Para lerem as críticas completas, acessem os links:

Sidney Gusman do Universo HQ


Paulo Ramos do Blog dos Quadrinhos, UOL


Télio Navega do Gibizada, O Globo


Bruno Accioly do site Outra Coisa


Pedro Cirne da Folhapress


Blog do Jornalista Gutemberg